As aves e o profissional AGANIX

Muito tem sido escrito sobre as qualidades e competências do profissional do século XXI. Mas, observando o mundo animal, muitos exemplos e lições podem ser dele tirados no que diz respeito àquelas que o mercado vem exigindo de seus colaboradores.

Da diversidade do mundo animal, as aves constituem um capítulo a parte. E, deste segmento, serão consideradas três delas.

 

Águia

 

É considerada um símbolo da nobreza e sua figura consta de inúmeros brasões.

No antigo Egito era vista como um elo entre o homem e o Divino.

Era considerada a rainha dos céus por voar rápido e mais alto, acima das tempestades, simbolizando a majestade, a força, o vigor e a grandeza, além de servir de exemplo de superação.

Possui uma visão invejável e, por isso, sabem onde devem caçar.

A liberdade é uma das suas marcas registradas.

Tais características, e outras mais, deram origem a uma imensa literatura sobre o profissional-águia. De forma resumida, este profissional:

– sempre vislumbra o melhor caminho, estabelecendo objetivos e traçando metas para alcançá-los:

– não tem medo de correr e assumir riscos;

– busca continuamente novos desafios;

– é criativo e proativo e, ao enxergar “tempestades”, transforma-as em novas fontes de energia para sua atividade;

– aceita naturalmente que mudanças estão continuamente ocorrendo;

– é curioso e questionador;

– está sempre pronto a ajudar pessoas e levar a empresa a ter cada vez mais sucesso;

– são pessoas que se saem bem frente às pressões e obstáculos;

– combatem o estresse gerado por este estilo de vida através de uma resiliência e flexibilidade altamente desenvolvidas.

Com estas características, é um profissional que se destaca rapidamente.

Entretanto, não devemos esquecer que a águia, apesar de ser livre e independente, ela é solitária, ela voa sozinha.

Agora fica a pergunta: somente as características da águia são suficientes para valorizar e reconhecer um bom profissional?

 

Ganso

 

De forma inversa à da águia, os gansos selvagens, além de viverem em bandos, tem uma outra característica.

Em dois períodos do ano, milhões deles percorrem, por cerca de três meses, mais de cinco mil quilômetros, quando migram das regiões mais geladas para as regiões mais quentes e, na primavera, fazendo o caminho inverso para procriarem.

É essa jornada que lhes garante a vida e a espécie.

Ao partirem para esta jornada usam, no seu vôo, uma formação em V na qual todos se beneficiam do impulso gerado pelas batidas das asas de seus companheiros. Nesta situação todos dão o máximo de si para alcançar seu objetivo.

Este tipo de formação também gerou algumas lições que já foram fartamente relatadas na literatura, principalmente abordando os temas de motivação e trabalho em equipe.

São elas:

1ª – ao voar na formação em V, todo o bando aumenta em 71% a eficácia do vôo, quando comparada à de um pássaro voando sozinho.

Lições: compartilhar a mesma direção e sentido permite ao grupo chegar mais rápido ao seu destino; a ajuda mútua permite alcançar resultados melhores; aqueles que sabem trabalhar em equipe alcançam seus objetivos de forma mais fácil porque confiam uns nos outros.

2ª – quando um pássaro sai da formação, sente a resistência do ar e a dificuldade de voar sozinho. Então, rapidamente, retorna à formação para aproveitar o poder de “aspiração” daqueles que voam à sua frente.

Lições: permanecendo em sintonia e unidos àqueles que seguem na mesma direção, o esforço individual será menor; as metas serão alcançadas de forma mais fácil e mais agradável; estaremos dispostos a aceitar e a oferece ajuda sendo, portanto, mais prestativos.

3ª – Quando o ganso líder se cansa, muda para o final da formação, enquanto outro pássaro assume a liderança.

Lições: compartilhar a liderança; respeitar a si e aos outros membros da equipe de forma mútua durante todo o tempo; dividir tarefas e problemas difíceis; reunir capacidades, habilidades e potencialidades individuais para turbinar os recursos da equipe; conscientizar-se que, no trabalho em equipe, as pessoas são dependentes umas das outras.

4ª – Os gansos, voando em formação, grasnam para dar coragem e alento aos que vão à frente, para que mantenham a velocidade.

Lições: um gesto de alento produz resultados extraordinários; nossas palavras devem ser de incentivo e não de desestímulo; assegurar que nossa comunicação deve ser efetiva.

5ª – Quando um ganso fica doente, ferido ou cansado, e deve sair da formação, outros saem e o acompanham para ajudá-lo e protegê-lo. Permanecem com ele até que morra ou seja capaz de voar novamente; então voam para alcançar o bando ou se integram à uma outra formação.

Lições: apesar das diferenças, a união da equipe deve ser mantida, principalmente nos momentos de dificuldade ou nas situações que demandam maior esforço; permanecer juntos em bons e maus momentos.

Enfim, estas lições mostram que os gansos trabalham em equipe, partilham a liderança, são amigos e solidários.

Agora a pergunta é: as características da águia somadas às características dos gansos são suficientes para torna-lo (a) o (a) profissional desejado pelo mercado? Embora a resposta possa ser sim, ainda falta mencionar outra ave para fecharmos esta “equação”.

 

Fênix

 

A fênix, ave mitológica grega, mas cujo mito remonta ao antigo Egito, tinha uma característica marcante: ao morrer e depois de algum tempo, ela renascia das próprias cinzas.

Isto transformou a ave em um símbolo da mortalidade e do renascimento espiritual.

Para os gregos existe um paralelo entre a fênix e o Sol, que morre todos os dias para renascer no dia seguinte, simbolizando a morte e o renascimento eternos da natureza.

Para os chineses, a fênix era a ave que simbolizava a felicidade, a virtude, a força, a liberdade e a inteligência.

Para os antigos cristãos, era o símbolo do renascimento e da ressurreição.

Por isso emprego a figura da fênix para complementar as características do profissional do século XXI.

Concordo que ele deva ser um (a) profissional único (a), reconhecido (a), que alcança o sucesso,… Entretanto tudo isso pode se tornar efêmero e deixar de ser no dia seguinte.

Por isso, este profissional, sabedor e conhecedor de seu lado fênix, sempre irá dormir como um vencedor e, ao acordar no dia seguinte, tornar-se-á, novamente, um aprendiz. Ele é capaz de, a cada noite, se “matar”, para renascer melhor, mais preparado e mais energizado para enfrentar seu cotidiano.

Ele sabe que o ciclo de renascimento e morte é contínuo em qualquer momento de sua vida e sabe que, se não atingir seu objetivo hoje devido a qualquer obstáculo, amanhã estará mais preparado para alcançá-lo.

Este lado “fênix” é que, muitas vezes, é ignorado pelos profissionais. Estes, são aqueles que, ao atingirem o sucesso, vivem com ele, identificam-se com ele e acabam morrendo onde estão. Não percebem que as coisas mudam, o mundo muda, tudo muda e eles, além de não se darem conta disso, acabam ficando no ponto onde pararam vivendo de um fato que já deixou de existir

Agora sim, caro leitor ou leitora, você pode entender o título deste texto: o profissional AGANIX é aquele que possui as características da ÁGuia, o senso de trabalho em equipe do gANso e a capacidade de estar sempre se renovando e se reinventando da fênIX.

AGANIX!!!

E agora, responda sinceramente: você é um (a) deles (as)?

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *