ADHOCRACIA E LIDERGIA ®

Em um mundo onde mudanças ocorrem em espaços de tempo cada vez menores, as decisões para as soluções de problemas também necessitam ser tomadas de forma rápida.

Foi-se o tempo onde a elaboração e a conclusão de um projeto seguiam uma ordem burocrática e hierárquica até sua implementação efetiva.

Para acompanhar a rapidez que o mundo dos negócios nos impõe, foi desenvolvido o conceito de adhocracia.

Este sistema foi desenvolvido a partir do momento no qual as empresas formais e burocráticas tinham que resolver problemas de forma rápida em ambientes tecnológicos altamente competitivos, complexos, incertos e turbulentos, apenas para citar algumas das características do atual mundo dos negócios.

Este termo foi criado por Alvin Tofler e, de uma forma geral, apresenta algumas características:

– é um conceito que deriva da expressão latina ad hoc que significa “aquilo que é feito com um objetivo definido ou um propósito específico”;

– é um conceito que se refere à falta de uma hierarquia ou de regulamentos;

–  é um conceito que enfatiza a simplificação de processos;

– é um conceito que se adapta a cada situação particular e específica;

– é um conceito aplicável a equipes e organizações que buscam soluções rápidas e criativas;

– é um conceito que rompe com o status burocrático dominante e presente em muitas organizações;

– é um conceito mais flexível, mais natural e mais abrangente do que a burocracia.

Neste conceito a solução dos problemas é realizada com a formação de equipes autônomas e multidisciplinares onde seus componentes são profissionais com diferentes competências, formações e experiências que cooperam entre si e que buscam novos caminhos para a obtenção dos resultados desejados. Neste modelo a criatividade individual, a inovação e o pioneirismo são peças-chave do processo.

Além disso, estas equipes assim formadas, são desfeitas após a conclusão do projeto ou das soluções empregadas. Modernamente, este tipo de equipe que se formam e se desfazem de forma temporária são conhecidas por “equipes lego”, à semelhança do jogo que leva o mesmo nome. Ou seja, são equipes não-permanentes formadas e desfeitas de acordo com as necessidades.

 

Características da Adhocracia

 

Além das principais características descritas acima, também podem ser citadas:

             – existe pouca formalização no processo o que proporciona maior liberdade de trabalho; não há rigidez ou centralização do poder, como nos processos burocráticos;

– as competências e especializações de cada membro da equipe são fundamentais para lograr os resultados e/ou objetivos para os quais a equipe foi formada;

– a coordenação e o controle de todo o processo são efetuados pelos próprios membros da equipe, e não por algum membro em particular, tornando o trabalho totalmente descentralizado;

– a agilidade do trabalho e a tomada de decisões são algo marcante;

– o processo requer, de forma permanente, a integração, a colaboração e a adaptação dos membros da equipe às circunstâncias que o projeto exige, mesmo nas correções de rumo que, eventualmente, possam ocorrer;

– o “pensar fora da caixa” talvez seja a ferramenta mais importante do processo;

– novas formas de pensar podem se traduzir em enxergar novas oportunidades;

– talentos ocultos dos colaboradores podem ser trazidos à tona, revelando potenciais até então não exteriorizados.

Quando analisamos este conceito à luz do emprego consciente das energias física e mental (Lidergia ®) de cada membro da equipe ou da equipe como um todo, percebemos o quanto este processo se reveste de sintropia.

Para aqueles que desconhecem este termo, sintropia é a energia injetada em qualquer tipo de trabalho a fim de se buscar o resultado almejado. Diferentemente da entropia, que é a energia desperdiçada e que não tem nenhum retorno, como, por exemplo, a procrastinação.

Deste modo, surgem alguns aspectos do emprego destas energias:

  • A energia é empregada de forma mais consciente, mais rápida e de forma mais dinâmica;
  • Todos empregam suas energias e não apenas um ou dois membros da equipe;
  • A energia total empregada na solução dos problemas representa, de forma cabal, a soma das energias individuais empregada por cada membro da equipe.
  • O desperdício energético é nulo ou quase nulo.

Assim, em uma equipe adhocrática, todo o emprego da energia está concentrado em um esforço mútuo reunido com o mesmo objetivo: encontrar de forma rápida as soluções demandadas.

Todas estas observações me levam a acreditar que este modelo se tornará cada vez mais presente em função da rapidez que os negócios acontecem neste mundo altamente tecnológico.

 

 

Autor: Luiz Roberto Fava

 

Siga também nossa página no LinkedIn para manter-se atualizado com nossos artigos e novidades => https://www.linkedin.com/company/lidergia/

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *